sábado, 20 de novembro de 2010

Medir a presença online é saber fazer as perguntas

Eduardo Luis Prange Junior


Antes de falar sobre a análise de resultados em presenças online, ou melhor, sobre métricas, é preciso entender que não basta analisar as opiniões e os resultados de investimentos feitos no ambiente offline. É também muito importante conhecer o nível de satisfação dos consumidores e possíveis evangelizadores das marcas através das páginas da web.

Considere, por exemplo, o tempo médio que os usuários permanecem na presença digital da sua empresa. Cuidado. Se o tempo for muito longo, pode não ser um bom sinal. Um tempo de permanência de nove minutos, por exemplo, pode indicar problemas na usabilidade do seu site.

Por outro lado, este é um bom número para sites de bom conteúdo. Mas, acredite, o tempo médio mensal que os usuários investem na utilização da internet no Brasil é de 48h26m por mês (fonte: Ibope/Nielsen).
A Wikipedia define métricas da seguinte forma:
·         Métricas é um sistema de parâmetros;
·         Métricas definem o que será medido;
·         Métricas geralmente são específicas para cada segmento;
·           As métricas são indicadores de desempenho.
Podemos resumir que métrica é um sistema de parâmetros mensuráveis e padronizados.
E a pergunta é: quais os objetivos de se trabalhar com as métricas na web?
Diferente de outras mídias, a internet possibilita uma mensuração avançada em relação ao desempenho das marcas e sua reputação na rede. Reputação que é promovida espontaneamente pelos milhões de usuários espalhados pelo mundo.
É muito importante ter acesso a informações de todos os locais de origem do tráfego de sua presença online e saber quais os países, regiões ou cidades que concentram maior acesso. O seu público alvo pode estar onde você não imagina.
Muitas vezes nos deparamos com empresas investindo consideravelmente em comunicação, publicidade e propaganda sem obter o retorno desejado. As causas podem ser simples:
·         A mídia escolhida para comunicação pode não ser apropriada ou a mais consumida pelo seu público;
·         A comunicação está sendo publicada ou veiculada em locais de pouco acesso ao público alvo da empresa;
·         Questões culturais variam muito geograficamente no Brasil. É muito importante saber atuar em cada região de forma estratégica e adequada a tal cultura;
·         As pessoas têm buscado informações através de meios menos tradicionais. Se estiveres comunicando à moda antiga, pode ser que já tenha funcionado mas não funciona mais;
Para isso, é importante que as empresas tenham clareza sobre onde se encontra(m) o(s) seu(s) público(s) e quais os seus diferentes perfis, principalmente quanto ao consumo de mídia. Regra número para um bom trabalho de comunicação embasado em métricas: não espere pelo público, vá até ele!
Tratar cada usuário participante da sua marca com um cuidado especial pode fazer a diferença. Segundo pesquisa da Universal McCann, o compartilhamento de conteúdo na internet alcançou um papel de destaque no dia-a-dia:
·         63% dos usuários já criaram perfil em algum site de relacionamento;
·         57% possuíam perfil em sites de redes sociais;
·         76% fazem uploads de fotos;
·         33,1% publicam vídeos;
·         29,1% mantêm um blog;
·         71% buscam informações em blogs.
Os números mostram com clareza o poder de comunicação que cada usuário dispõe e o grau de influência que têm perante os demais usuários. As pessoas confiam mais no que os usuários falam sobre as marcas do que como os mecanismos de busca as classificam.
Mas, afinal, como medir tudo isso? Que ferramentas podem auxiliar as empresas para tal medição? Hoje no mercado existem inúmeras ferramentas de web analytics. Algumas gratuitas, como Google Analytics, Yahoo!Web Analytics, StatCounter e AwStats, e outras que exigem investimento.
Mais importante do que ter uma ferramenta para medição, é ter clareza sobre o que é preciso medir e quais os objetivos que se pretende atingir com os dados e informações obtidas.
Concluindo, se sua empresa ainda não mensura os acessos de forma qualitativa e quantitativa é melhor começar a se preocupar. Cada vez mais, antes de efetuar a aquisição de um determinado produto ou contratar um serviço, as pessoas vão aos mecanismos de busca para obter informações sobre eles e também colher os feedbacks de quem já adquiriu ou contratou o que as empresas ofertam. Fica a dica!

Marcadores: , , , , , , , , , , , , ,

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Anote aí 31: Medição; Moda; Redes Sociais; Preço; Ações

PAIONI, Marco. Diga-me: quantos são? Medir audiência de sites é necessidade urgente, mas a rápida evolução da web dificulta definição de metodologia. Negócios da Comunicação, ano VII, nº 41, pp. 42-44.


FARIA, Juliana de. O vale-tudo da moda Ninguém é de ninguém no mundo fashion. Vale copiar roupa, roubar modelo de bolsa e até ganhar dinheiro com a idéia dos outros. E é isso que faz da moda um dos negócios mais criativos do mundo. Superinteressante, nº 284, novembro de 2010, pp. 82-87.


HAGE, Kamila El. O poder das redes sociais As redes sociais on-line conquistaram um papel determinante no mercado atual, que não deve ser ignorado pelos empreendedores. Meu Próprio Negócio, ano 9. nº 93, pp. 20-22.


McKINSEY QUARTELY. A ameaça do baixo custo: reagir ou não? Todos os competidores Premium estão sob ataque de concorrentes que oferecem preço inferior, mostra Adrian Ryans, do IMD. Subestimá-los é o pior dos erros. HSM Management, ano 14, volume 6, nº 83, novembro/dezembro de 2010, pp. 118-122.


CASAGRANDE, Marcelo. A união que faz a força Ações em conjunto dos departamentos de marketing e recursos humanos podem trazer resultados que agradam colaboradores, clientes e empresa. Gestão & Negócios, nº 26, pp. 64-65.

Marcadores: , , , , , , , , , , , , , ,

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Brasil é número 81 no ranking global de desigualdade entre homens e mulheres

InfoMoney


Homens e mulheres no Brasil ainda vivem de forma distinta no que diz respeito à carreira, educação, política e saúde. Enquanto a igualdade entre os sexos está aumentando na maioria dos países, no Brasil, ela só piora.

De acordo com o Gender Gap 2010 (Relatório Global de Desigualdade de Gêneros), do Fórum Econômico Mundial, o Brasil caiu do 81° lugar, em 2009, para a 85ª posição, este ano. Ao todo, o fórum analisou 134 países do mundo.

A queda, explica o estudo, é consequência de pequenas perdas em educação e capacitação política, mas também dos ganhos de outros países nos rankings relativos.

Ao comparar a remuneração entre homens e mulheres, o Brasil despenca para a 123ª posição. Segundo o estudo, a estimativa de ganhos salariais para a mulher é dois terços menor do que para os homens - US$ 7.190 anuais, em média, para mulheres, contra US$ 12 mil pagos aos homens. As mulheres que trabalham representam 64% da população feminina no Brasil, ante 85% entre os homens.

Educação e política

A matrícula no ensino primário para as meninas, embora elevada, continua pouco abaixo da dos meninos (93% contra 95%). Por outro lado, as mulheres brasileiras já são maioria nas ocupações com formação técnica ou universitária (52%).

Outro ponto que chama a atenção são os números relacionados à participação política das mulheres no País: 9% de presença no Congresso e apenas 7% dos cargos de nível ministerial.

Desde que o estudo começou a ser feito, em 2006, 86% dos países aproximaram as condições de vida e de renda entre mulheres e homens. O Brasil, porém, ficou no mesmo lugar, com uma melhora insignificante, de apenas 1%.

Na América Latina e Caribe, por exemplo, o Brasil fica atrás de países como Trinidad e Tobago (21ª posição), Cuba (24ª posição), Argentina (29ª posição) e Chile (48ª posição).

Primeiros da lista

Quatro países nórdicos se mantiveram no topo da lista: Islândia, Noruega, Finlândia e Suécia. De acordo com o estudo, estes países chegaram a reduzir a desigualdade entre gêneros em mais de 80%. "Os países nórdicos ainda estão na vanguarda na eliminação da desigualdade de gêneros", afirma Klaus Schwab, fundador e presidente executivo do World Economic Forum. 

Segundo ele, desigualdades menores entre os gêneros são diretamente ligadas a altos níveis de competitividade econômica. "As mulheres e as jovens devem ser tratadas com igualdade para garantir o crescimento e a prosperidade de um país. Ainda precisamos de uma verdadeira revolução na igualdade de gêneros, não somente para mobilizar um conjunto maior de talentos, mas também para criar um sistema de valores mais justo em todas as nossas instituições", completa.

Vai e vem

Os Estados Unidos subiram no ranking, chegando à 19ª colocação, devido à nomeação de um grande número de mulheres para cargos importantes no governo do presidente Barack Obama. Esta é a primeira vez que o país aparece entre os 20 primeiros lugares.

A França, por sua vez, com a redução do número de mulheres em cargos ministeriais nos últimos 12 meses, caiu para a 46ª posição na tabela - o país perdeu 28 posições frente ao ano passado. Confira, abaixo, quais foram os dez países mais bem colocados no Gender Gap 2010:

 Ranking Global 2010 de Desigualdade entre Gêneros 
País
Pontuação*
Islândia
85%
Noruega
84%
Finlândia
82,6%
Suécia
80,2%
Nova Zelândia
78,1%
Irlanda
77,7%
Dinamarca
77,2%
Lesoto
76,8%
Filipinas
76,5%
Suiça
75,6%
Fonte: Fórum Econômico Mundial
*As pontuações são produzidas numa escala de zero a um, e podem ser aproximadamente interpretadas como a porcentagem da desigualdade entre gêneros que foi reduzida.

Marcadores: , , , , , , , , , ,

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Quando é a hora de reformular a logomarca da empresa?


Administradores
Existem logomarcas que basta olharmos rapidamente para a marca e já sabemos exatamente a qual empresa pertence. Essa fácil identificação tem justificativa, afinal, a marca de uma empresa, muitas vezes, é quase uma extensão de seu nome e identidade.

Através delas, consumidores, fornecedores e todos os públicos-alvo se identificam e sabem sobre a atuação de determinada organização. Por isso, manter uma identidade visual forte pode ser um diferencial na hora de atrair clientes e fazer negócios. Mas em muitos casos, é necessária uma revitalização dessa identidade visual, ou até mesmo a criação de uma nova logomarca, seja devido aos avanços tecnológicos ou por mudança da área de atuação da organização.

Diante dessa situação, antes de confirmas as mudanças na logo, é preciso fazer uma análise de mercado, além de comparativos com a concorrência e verificar o que é mais apropriado: revitalizar, manter ou modificar completamente a marca.

O publicitário Euzébio de Andrade, diretor da Amplo Brasil, agência de comunicação sediada em Belo Horizonte que completa 15 anos de atuação em 2010, convive diariamente com situações em que a decisão sobre a vitalidade da logo é analisada. "Muitos clientes nos procuram pensando que o problema é a logo, que, em sua opinião, está desatualizada ou algo assim, mas cada caso é uma situação diferente e deve ser analisada amplamente".

Para Euzébio, geralmente é identificado dois casos de clientes. "Às vezes diagnosticamos que o problema realmente é a logomarca, que não possui identificação com seu produto ou está realmente fora do tempo, mas em muitos casos, após estudos, vemos que o problema não está na logo, mas sim na embalagem do produto ou na campanha publicitária com foco equivocado", explica o profissional.

Um caso especifico vivido pela equipe da Amplo Brasil diz respeito ao Café Bico de Ouro. A empresa, de Brasília, possui mais de 45 anos de mercado e precisava se reinventar devido à concorrência no seu setor de atuação. "Vimos que a empresa possuía um diferencial grande de mercado se comparada a seus principais concorrentes. Fizemos algumas análises do cenário externo, além de estudos da marca e estudamos seu Plano Estratégico. Após essa imersão, decidimos pela reformulação da marca e mudança das embalagem, mas sem alterar a essência de sua identidade visual, que julgamos ser um diferencial de mercado. A estratégia surtiu efeito e hoje a empresa já colhe os frutos, com expansão de seu marketing share", explica Marco Túlio Pereira, responsável pelo case Bico de Ouro na Amplo.

Quando não mudar significa mudança

Um exemplo vivido recentemente na Amplo e que serve de comparativo é a Manteiga Patrícia, que possui 85 anos de mercado e que pretendia se posicionar no mercado como produto gourmet. A diferença desse cliente, que possui sede em Minas Gerais, mas cujo maior volume de vendas são nas capitais do Nordeste do país, é que o estudo da marca apontou para a necessidade de não se mexer na sua marca, mas sim tirar proveito da onda retrô e resgatar embalagens do passado.

"Por tratar-se de uma empresas com tempo de tradição, pensamos em resgatar embalagens do passado, mas com sabedoria para que o produto seja "curtido" pelo consumidor, que agrega valor ao público gourmet", explica Douglas Silva, responsável pelo cliente na agência.

Mudanças nas pequenas empresas

Hoje em dia, o desenvolvimento por profissionais nas marcas, embalagens e materiais promocionais, por exemplo, é cada vez mais acessível aos empreendimentos de menor porte. Com investimentos reduzidos é possível ter "cara de empresa grande" e alavancar os negócios.

"As pequenas empresas estão mais conscientes de que tão importante quanto ter um bom produto ou serviço é apresentá-lo de forma adequada. Num mercado cada vez mais competitivo, é preciso se destacar para vencer, e cuidar da parte visual da empresa faz parte da estratégia de qualquer negócio de sucesso, não importa o seu tamanho", afirma Raquel Rodrigues, sócia e diretora de atendimento da BlueBossa, agência de design e comunicação com foco em micro, pequenas e médias empresas.

Outra importante mudança diz respeito ao perfil do cliente. O avanço da internet, e nova tendência tecnológica mundial faz com que as empresas tentem a demandar uma mudança mais acentuada das logos, acarretando um tempo de vida de uma identidade visual mais curto, necessitando cada vez mais de ser contextualizada no cenário global. "As empresas precisam estar sempre atentas ao mercado. Mudar ou não a logomarca torna-se secundário num mundo em que a embalagem ajuda, mas o mais importante continua é, mais do que nunca, o produto ofertado", enfatiza Euzébio de Andrade. 

Marcadores: , , , , , , , , , , ,

Tributos: Brasil arrecada muito pelo pouco que dá aos contribuintes, diz IBPT

Tabata Pitol Peres


O impostômetro, ferramenta que contabiliza a arrecadação tributária nacional, atingiu a marca de R$ 700 bilhões  na tarde de segunda-feira, 26 de julho. Para a diretora do IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário), Letícia do Amaral, esse é um número bastante alto.

"Não seria um número tão alto, se houvesse um retorno satisfatório de todo esse imposto pago. O problema é que não há. O que temos no País é muito desvio e a utilização dos impostos para fins não prioritários, obrigando os cidadãos que têm condições a pagar por serviços que deveriam ser oferecidos pelo governo, como educação, saúde e segurança", afirma.

Arrecadação recorde

diretora explica ainda que a arrecadação tributária tem batido recorde em cima de recorde nos últimos meses.

"Não houve aumento na quantidade de tributos nem nas alíquotas, mas a arrecadação vem batendo recorde. Vivemos um momento de aceleração da economia, geração de emprego e maior consumo, por isso, arrecada-se mais, ou seja, poderia haver mais benefícios aos cidadãos. Para se ter uma ideia, em um levantamento sobre países que investem em educação, entre os 58 nalisados, o Brasil ficou na posição 53".

Letícia conta ainda que o Brasil é o país com maior carga tributária entre os seus semelhantes.
"O Brasil é o país com a carga tributária mais elevada entre os países em desenvolvimento da América do Sul e dos Brics (Brasil, Rússia, Índia e China). Se a gestão de recursos públicos fosse mais eficiente, não precisaríamos de uma carga tão grande. Fato é que o Brasil arrecada como um País de primeiro mundo, mas retorna para a população como um país de terceiro mundo".

Mais de R$ 1 trilhão

A executiva ressalta ainda que, de acordo com as previsões do IBPT, a arrecadação registrada no final do ano deve superar a casa de R$ 1 trilhão. "Nossas estimativas são de que a arrecadação em 2010 seja de R$ 1,3 trilhão", finaliza.

Marcadores: , , , , , , ,

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Anote aí 30: Mobile Marketing; Novela; Contabilidade; Classe D; Mulheres

BOTTONI, Fernanda. O tempo todo e em qualquer lugar Com Mobile Marketing é fácil chegar às mãos do consumidor. O desafio mesmo é obter relevância. Próxxima, nº 23, outubro de 2010, pp. 46-51.


GRILLO, Cristina. ‘Novela é feita para vender sabonete’ Gilberto Braga defende dramaturgia da televisão como gênero literário. Folha de S. Paulo, 31 de outubro de 2010, Caderno Ilustrada, p. E3.


CASAGRANDE, Marcelo. Jogando a favor da empresa Saiba como o contexto econômico e o controle contábil e financeiro podem ajudar nos seus negócios. Gestão & Negócios, nº 25, pp. 36-38.


MARTINS, Andrea. O Natal da classe D Consumidor com renda entre 1 e 3 mínimos vai comprar mais TVs de plasma e computadores.  Meio & Mensagem, ano XXXII, nº 1434, 08 de novembro de 2010, p. 40.


VALLERIO, Ciça. Mulheres revelam as contas Pesquisa exclusiva da Sophia Mind coloca em xeque alguns mitos sobre o comportamento financeiro feminino. O Estado de S. Paulo, 14 de novembro de 2010, Caderno Feminino, pp. 8-9.  

Marcadores: , , , , , , , , , , , , , ,