sábado, 11 de fevereiro de 2012

Desafio de eliminar pobreza ficou maior

Márcia De Chiara
Os principais desafios para extinguir a classe E no País estão estampados no próprio perfil dessa população. Segundo pesquisa do instituto Data Popular, quase a metade da classe E (49,8%) tem até 15 anos de idade, 32,2% deles são analfabetos e 40% vivem no campo. Esses índices são bem superiores à média da população do País, que é de 25,2%, 16,4% e 15,7%, respectivamente.

"Precisa ter muito investimento público em programas sociais e universalização do ensino básico para resolver essa situação", afirma o sócio diretor do Data Popular, Renato Meirelles. Ele ressalta que os 7 milhões de brasileiros que continuam em situação de extrema pobreza são os casos "mais difíceis" de serem resolvidos.

De acordo com o estudo, a maior parte dos remanescentes da classe E vive no Nordeste, onde estão 66,2% dessa população. A Região Norte reúne 13,7% da classe E; a Sudeste, 12,5%; o Sul, 4,5% e o Centro-Oeste, 3,1%.

Apesar de a maior parte dessa classe social ainda viver no Nordeste, Marcos Pazzini, diretor do IPC Marketing, observa que foi exatamente nessa região que houve uma grande redução do número de domicílios das classes E e D. Em 1998, os domicílios dessas classes representavam 68,4% do total. Em 2011, essa fatia tinha encolhido para 22%.

"Num primeiro momento, a migração dos domicílios de classes E e D para as classes C e B ocorreu por causa do programas sociais do governo federal. Mas hoje a dependência desses programas é bem menor e há muitas empresas do Sul e Sudeste brigando para vender produtos no Nordeste", afirma Pazzini.

A forte migração de domicílios no Nordeste durante esse período é explicada em boa parte pelo peso do salário mínimo na renda da região. Segundo o economista da LCA Consultores, Fábio Romão, no Nordeste vive um grande número de pessoas que têm o salário indexado ao mínimo. "Não são só os trabalhadores, mas os beneficiários do INSS", diz ele. Dois a cada três brasileiros beneficiários do INSS têm rendimentos indexados ao salário mínimo. No Nordeste, esse índice é superior à média nacional.

Mínimo. Vários fatores econômicos levaram às mudanças da pirâmide social do País nos últimos dez anos, entre os quais estão programas sociais, como o Bolsa Família. Romão aponta pelo menos três outros motivos que desencadearam a ascensão social da população de baixa renda. O primeiro é o salário mínimo. Entre dezembro de 1998 e o fim do ano passado, o salário mínimo teve um ganho real (descontada a inflação) de 75,6%.

"Mais do que fazer a renda global crescer, o mínimo é um indexador da renda daqueles que ganham menos e funciona como parâmetro de reajuste para a informalidade. Boa parte das pessoas que eram classe E ou D acabou migrando de classe por causa disso", diz o economista.

Outro fator que contribuiu para esse movimento foi o crescimento da formalização do emprego, que abriu as portas para o acesso ao crédito. Desde 2005, observa o economista, o emprego com carteira assinada nas seis regiões metropolitanas do País cresceu a uma taxa bem superior ao emprego total, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Quando aumenta a formalização do emprego, o trabalhador fica mais confiante e disposto a tomar crédito. "O maior acesso ao crédito facilita a compra de bens e com isso, pelo critério usado nas pesquisas, as pessoas migram de classe social", observa Romão, ponderando que o pano de fundo da mobilidade social é o crescimento econômico.

"Agora o desafio é a manutenção dessas pessoas nessa nova classe, e isso só se sustenta se houver crescimento econômico." Romão observa que, daqui para a frente, o processo de ascensão social não será tão intenso quanto foi nos últimos anos. Exceto em 2012, quando o ganho real do mínimo chegou a 7,5%, refletindo o PIB de dois anos atrás, nos próximos o mínimo deve crescer a taxas menores.

Em 2013, por exemplo, o crescimento real do salário mínimo será de cerca de 3%, que é a estimativa para o aumento do PIB de 2011. O economista pondera que, em algum momento, o governo deve mudar a regra de reajuste do mínimo, que hoje repassa o crescimento de dois anos atrás. Caso contrário, o mínimo pode se tornar o salário médio.

Marcadores: , , , , , , , , , ,

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Pesquisa revela que um em cada cinco empregados trabalha em casa

Computerworld
Cerca de 20% dos trabalhadores mundiais trabalham de casa, especialmente no Oriente Médio, América Latina e Ásia. Quase 10% deles trabalham de casa todos os dias, de acordo com uma nova pesquisa da Ipsos/Reuters. O estudo mapeia profissionais que trabalham longe de seus escritórios, comunicando-se por telefone, e-mail ou em chats online, quer todos os dias, quer ocasionalmente. E ouviu 11.383 pessoas online em 24 países, incluindo o Brasil, entre 7 e 20 de outubro de 2011.

Os avanços da tecnologia e das telecomunicações permitiram que as pessoas trabalhem de forma efetiva e eficiente sem que precisem estar o tempo todo em suas mesas no escritório. A tendência cresceu e parece que persistirá, já que 34% dos trabalhadores que recorrem a esse modelo de trabalho dizem que o fariam em tempo integral, se pudessem.

Dos funcionários que já podem ser conectados online ao seu local de trabalho, 17% relatam que o faz com "em uma base frequente _ 7% dizem trabalhar todos os dias a partir de casa ou de outros lugares, enquanto outros 10% dizem fazê-lo "em uma base muito consistente e constante, como as noites e fins de semana".

Segundo o estudo, o teletrabalho é mais comum em mercados emergentes: aqueles que trabalham no Oriente Médio e África (27%), América Latina (25%) e Ásia-Pacífico (24%) são mais propensos ao trabalho remoto do que os trabalhadores da América do Norte (9%) e Europa (9%).

Trabalhar de casa é especialmente popular na Índia, onde mais de metade dos trabalhadores o fazem; na Indonésia, o índice é de 34%; no México 30%, seguido por Argentina (29%), África do Sul (28%) e Turquia (27%). No outro extremo, essa opção de trabalho é menos popular na  Hungria (3%), Alemanha (5%), Suécia (6%), França (7%), Itália (7%) e Canadá (8%). Nos demais países (Arábia Saudita, Austrália, Bélgica, Brasil, China, Coreia do Sul, Espanha, Estados Unidos, Japão, Polônia, Reino Unido e Rússia) o índice é superior a 10%.
Aqueles com um nível mais elevado de educação têm maior probabilidade de adotar o teletrabalho com frequência (25%), seguidos por aqueles com idade inferior a 35 (20%) e aqueles com renda familiar alta (20%). Homens (19%) são mais propensos do que as mulheres (16%)

Vantagens são claras

A grande maioria dos funcionários em 24 países "concorda" igualmente (83%) que o teletrabalho é vantajoso. Nas duas avaliações, 36% disseram ser fortemente vantajoso, contra 47% que acreditam ser só um pouco vantajoso. Entra as maiores vantagens está a possibilidade de manter as mulheres talentosas na força de trabalho enquanto cuidam da criação dos filhos.

"Trabalhadores da Europa e da América do Norte concordam que trabalhar de casa é uma ótima maneira de reter mulheres na força de trabalho. Isso causa menos estresse por reduzir a necessidade de deslocamento. Também pelo fato de oferecer melhor equilíbrio entre a vida profissional e pessoal", disse a gerente de pesquisa da Ipsos Global Public Affairs, Keren Gottfried, que conduziu o estudio.

Entre os pesquisados, 65 por cento disseram que trabalhar de casa é produtivo porque oferece ao trabalhador mais controle sobre sua vida profissional. "Isso dá à pessoa a oportunidade de trabalhar quando é mais produtiva", disse Keren. "Você trabalha quando sabe que pode executar seu trabalho melhor."

Marcadores: , , , , , , , , , ,

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Consumidores não entendem rótulos

Roseani Rocha
Controlar a alimentação é a maneira mais popular de ficar em forma. Mas um estudo mundial da Nielsen publicado nesta terça-feira, 24, aponta que quem tenta entender os alimentos que está consumindo a partir dos rótulos nutricionais dos produtos passa por dificuldades.

A pesquisa online foi realizada com 25 mil consumidores, de 56 países, entre 31 de agosto e 16 de setembro, de 2011. Entre os pesquisados, 53% consideraram estar acima do peso ideal e 78% acreditam que a dieta é o primeiro passo para perder peso (seguida de exercícios físicos, opção para 69% dos pesquisados).

Quando o assunto é a compreensão dos rótulos nutricionais, 52% dos consumidores disseram entender “apenas em parte” as informações nutricionais e as embalagens dos produtos; 41% dos consumidores afirmaram entender “a maior parte” das informações; e 7% disseram não entender de forma alguma. Na América Latina, 46% entendem “em parte”, 48% entendem a maior parte e 6% não entendem os dados.

A análise também apontou um problema de credibilidade da informação. De 10 informações das embalagens analisadas no estudo apenas três foram consideradas críveis para mais de 20% dos pesquisados: conteúdo calórico (33%), vitaminas (28%) e percentual de gordura (23%).

“O principal ponto do estudo é servir como referência para a melhoria dessa comunicação ao consumidor. A indústria só teria a ganhar se ensinasse o consumidor a saber que tipo de produto ele está consumindo. Alguns grupos de marcas que souberam comunicar forma de utilização e benefícios dos produtos foram as que mais ganharam”, avalia Claudio Czarnobai, analista de mercado da Nielsen.

Sobre o fato de que em 2008, o número de pessoas que diziam entender “a maior parte” das informações no rótulo era maior que o índice atual – 44% em 2008, contra 41% este ano -, Czarnobai acredita na hipótese de que a própria evolução da indústria possa ter levado a isso. As inovações acabariam levando a uma comunicação mais complexa, por exemplo, no caso de produtos com mais química ou mesmo no caso dos alimentos funcionais. Outra hipótese seria o acesso de camadas socioeconômicas mais baixas a novas categorias de produtos. Esta também seria parte da explicação para o fato de que consumidores da América Latina declararam maior conhecimento dos rótulos que a população dos países asiáticos, que em geral têm melhor grau de escolaridade. “A China pode ter pesado, por ter uma grande base de população ainda não muito instruída. A população urbana passou a superar a rural há apenas um ano”, disse.

Embora a responsabilidade pela informação nutricional esteja na indústria, o analista acredita que as agências de publicidade que atendem as empresas poderiam contribuir com campanhas, anúncios e uma comunicação mais clara. Já sobre o fato de dois terços dos pesquisados não acreditarem nos conteúdos e os europeus se destacarem nesse quesito, o executivo sugere que isso seja resultado do maior grau de desenvolvimento do mercado e, logo, do consumidor europeu, o que o torna mais crítico. “Não basta fazer um produto que se diz saudável, mas também mostrar ao consumidor os reais benefícios”, aconselha Czarnobai.

Posição da indústria

Convidadas a comentar os dados da pesquisa, duas de três gigantes do ramo alimentício deram sua posição. Ressaltando que falava exclusivamente pela Kraft Foods e em relação ao mercado brasileiro especificamente, Fábio Acerbi, diretor de assuntos corporativos da companhia, destacou que seria interessante verificar se os resultados para o Brasil são compatíveis com as médias globais, pois acredita que o grau de entendimento e até de interesse pela leitura dos rótulos varia em diferentes geografias. De fato, o estudo mostra que os consumidores da América Latina afirmaram ter maior compreensão dos rótulos que os da Ásia, mas ficam atrás dos países da América do Norte, com destaque para os EUA.

“Imagino que até pela grande quantidade de informações nos rótulos no nosso país, sendo algumas delas de caráter mais ‘técnico’, é possível que realmente alguns consumidores não compreendam totalmente seu conteúdo. Analisando por outro ângulo, pode-se dizer também que essa grande quantidade de informações permite que cada consumidor busque no rótulo aquela informação que para ele ou ela é mais relevante. Muitos podem buscar apenas a tradicional informação sobre calorias, mas outros podem verificar a presença de algum ingrediente específico, quantidade de sódio, gorduras ou qualquer outra informação de seu interesse”, ponderou Acerbi.  

Sobre o aspecto credibilidade das informações, o executivo afirma que o Brasil tem um ambiente bastante regulado, com agências governamentais ou não governamentais bastante ativas, e um setor industrial bastante desenvolvido. Ressaltou que por parte da Kraft Foods, todas as informações são prestadas “com muita transparência e precisão”. Por fim, definiu a rotulagem de produtos no Brasil como bastante completa. Para ele, já faz tempo que o consumidor dispõe de muitas informações sobre qualquer produto.

Já a Nestlé acredita que os dados nutricionais dos produtos devem ser transparentes, responsáveis e informativos, contribuindo para que os consumidores façam escolhas com conhecimento e que compreendam o papel de cada alimento em uma dieta saudável e equilibrada. Por meio de um comunicado, a empresa garantiu que “sempre se antecipou às iniciativas para garantir que o consumidor fosse informado com o máximo de transparência”, citando como exemplo o fato de ter implementado a tabela de rotulagem nutricional em seus produtos mesmo antes deste procedimento se tornar legislação.  

A companhia afirma que lançou em 2005 uma plataforma mundial de comunicação nos rótulos, chamada Nestlé Nutritional Compass, com objetivo de orientar os consumidores a adotar hábitos de vida saudáveis em sua rotina e a tomarem decisões mais conscientes com base em informações nutricionais e dicas de nutrição, saúde e bem-estar disponíveis nos rótulos dos produtos. O programa foi implementado em mais de 80 países e está presente em todos os rótulos dos produtos Nestlé. 

Essa plataforma de comunicação com os consumidores iniciada nos rótulos, segundo a empresa, hoje também permeia outros pontos de contato como o digital e revistas. Além desta, outra iniciativa é aplicar voluntariamente o Guideline Daily Amount (GDA) em todos os seus produtos, “por se tratar de uma comunicação transparente a respeito de sua composição nutricional”. No Brasil, a Nestlé é uma das empresas pioneiras na utilização desse tipo de comunicação em seus rótulos, e foi nomeado por aqui como Guia Nutricional. Neste caso, garantem, o objetivo é traduzir ciência em informação clara aos consumidores e fornecer orientações para auxiliá-los na aplicação do dado nutricional dos rótulos à sua alimentação diária.

Por fim, justificando como evita que seus consumidores caiam no grupo que compôs a maioria dos pesquisados Nielsen, ou seja, dos que não compreendem as embalagens, a Nestlé aponta que possui diversos canais destinados a atendimento dos clientes. Além dos contatos impressos nas embalagens, destaca seu site e o Serviço Nestlé ao Consumidor como fontes de esclarecimento.

Marcadores: , , , , , , , ,

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Pesquisa avalia consumo de calçados

Exclusivo Online
Na semana em que ocorreu a 39ª edição da Couromoda - feira de calçados e acessórios realizada de 16 a 19 de janeiro, em São Paulo/SP - o núcleo de inteligência de mercado do Instituto de Estudos e Marketing Industrial (IEMI) divulgou sua primeira pesquisa sobre o comportamento de consumo do brasileiro em relação ao universo calçadista. O estudo revela que, na maioria dos casos, a compra não é planejada pelo consumidor e acontece pela proximidade com o produto e pelo encantamento provocado pela vitrine e pelo bom atendimento da loja.

De acordo com a pesquisa, a emoção é o que leva à compra de um calçado na maior parte dos casos analisados. Motivos práticos - como substituição de um modelo antigo ou aquisição de um novo par para um evento especial - somam 38,7%. As demais opções, todas ligadas a aspectos emocionais, somam 61,3% das respostas, como as compras por impulso e a vontade de sentir bonito. No entanto, segundo as repostas, de nada adianta um sapato ser bonito e não se adequar aos pés. Para 65,4%, o conforto é a principal característica do produto a ser adquirido e se sobrepõe a questões de moda e de estilo.

VAREJO - Segundo a pesquisa, o consumidor de calçados busca conveniência. Por isso, 36,2% dos entrevistados realizaram a compra em uma loja próxima à sua residência, geralmente atraídos pela vitrine, que assume papel importante nas vendas, já que 78,2% dos entrevistados disseram reparar sempre nas exposições externas e 93,7% sentem-se influenciados por ela no momento da compra. "A melhor estratégia para o lojista fazer o produto vender é colocá-lo em uma vitrine bem arrumada, em que o calçado apresente destaque para atrair a atenção do cliente", afirma o diretor do IEMI, Marcelo Villin Prado.

A loja física ainda é o principal canal de compra, utilizado por 85,4% dos entrevistados. A internet aparece em segundo lugar, com 13,2%. "As pessoas querem experimentar os calçados, verificar se é confortável. A Internet costuma vender mais produtos de modelagem e marcas conhecidas, como tênis e chinelos", comenta Prado.

O bom atendimento é apontado por 52,4% como atributo fundamental para o sucesso da loja, uma vez que 72,7% dos consumidores acreditam que sofrem algum tipo de influência do vendedor na escolha do produto. Se o serviço for ruim, 75,3% afirmam que rejeitam o ponto de venda. A força da vitrine aparece mais uma vez: 33% evitam o estabelecimento se não houver exposição organizada ou se ela for bagunçada. "Isto significa que o atributo de uma boa vitrine não é suficiente para garantir uma venda, prejudicada pelo mau atendimento", reforça Prado.

PAGAMENTO - O consumidor brasileiro ainda prefere pagar à vista, modalidade que teve 59,3% das respostas. "O parcelamento para a aquisição de calçados ainda não é tão aceito pelo consumidor", enfatiza o consultor. Os gastos mais comuns, apontados por 47,2%, giram em torno de R$ 76 a R$ 200. Os clientes que mais adquiriram os produtos pertencem às classes B2 e C. 

A pesquisa foi realizada no final de 2011, baseada na última compra dos entrevistados. A amostra pesquisada é constituída por 3.260 consumidores voluntários, de ambos os sexos, com idade acima de 15 anos, de todas as classes sociais, residentes em diferentes Estados do País e categorizados por perfis.

Marcadores: , , , , , , , ,

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Pela primeira vez, Brasil tem menos de 1% de domicílios na classe E

Márcia De Chiara
Pela primeira vez a classe E, a base da pirâmide social, representa menos de 1% dos 49 milhões de domicílios existentes no País. Isso significa que o número de brasileiros em situação de pobreza extrema teve uma drástica redução nos últimos dez anos, conforme apontam duas pesquisas de consultorias que usaram metodologias distintas.

Em números exatos: 404,9 mil ou 0,8% dos lares são hoje de classe E, segundo os cálculos do estudo IPC-Maps, feito pela IPC Marketing, consultoria especializada em avaliar o potencial de consumo. Em 1998, a classe E reunia 13% dos domicílios, indica o estudo baseado em dados do IBGE.

Marcos Pazzini, responsável pelo estudo, explica que os dados são atualizados segundo um modelo desenvolvido pela consultoria, que leva em conta a pesquisa do Ibope Mídia sobre a distribuição socioeconômica dos domicílios, projeções de crescimento da população e da economia, entre outros indicadores. Os lares são classificados segundo o Critério Brasil, da Associação Brasileira das Empresas de Pesquisa (Abep), que leva em conta a posse de bens e o nível de escolaridade do chefe da família.

O Instituto Data Popular, especializado em baixa renda, vai na mesma direção. Em 2001, a classe E era 10% da população (17,3 milhões) e, em 2011, tinha caído para 3,6% ou 7 milhões, segundo o estudo que divide a população pela renda mensal per capita - R$ 79 para a classe E.

"Não dá para dizer que acabaram os pobres, mas diminuíram muito, e a condição social deles melhorou porque tiveram acesso a vários bens de consumo, o que antes era praticamente impossível", afirma Pazzini.

Segundo o sócio diretor do Data Popular, Renato Meirelles, a tendência das pesquisas é a mesma: uma forte redução do contingente de pobres. "Em dez anos, foram 10 milhões de pessoas a menos na classe E", observa, ponderando que a divergência entre a ordem de grandeza dos resultados pode ser decorrente do fato de muitas pessoas da classe E não terem domicílio.

Mobilidade

As participações das classes E e D na estrutura social encolheram por causa da forte migração que houve entre 1998 e 2011. A fatia dos domicílios de classe D caiu quase pela metade no período, de 33,6% para 15,1%. Já os estratos C e B cresceram. Em 1998, 17,8% dos domicílios eram da classe B e, em 2011, representavam 30,6%

Na classe C, o crescimento foi ainda mais significativo, de 31% em 1998 para 49,3% em 2011, aponta o IPC-Maps. Resultado: quase 80% dos lares brasileiros hoje já são de classe C ou B. "Não dá mais para falar em pirâmide social, com a baixa renda representando a maior parte da população. Agora a estratificação social é como um losango", diz Pazzini. Ele destaca que hoje o porcentual de domicílios mais pobres (0,8%) quase empata com o total de mais ricos (0,5%).

Marcadores: , , , , , , , , , ,

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Nem parece morte

André D’Angelo
Tempos atrás uma aluna me procurou para saber se eu conhecia alguma bibliografia de marketing voltada para cemitérios e funerárias. Ela trabalhava em um cemitério da capital e, previsivelmente, não estava encontrando material teórico específico que lhe pudesse ser útil no dia a dia profissional. 

Eu, tampouco, consegui auxiliá-la, exceto por recomendar-lhe uma pesquisa sobre os “produtos não-procurados” – aqueles que a teoria de marketing define como “os que o consumidor não pensa em comprar” e que abrangem os jazigos em cemitério, entre outros.

A inexistência de bibliografia não impede que se aprenda com o marketing de cemitérios e funerárias, pelo menos a julgar pelas mais recentes inovações introduzidas nesse mercado. Há alguns anos começaram a pipocar no Brasil serviços que transformam os velórios em pequenos espetáculos, com execução de harpa ou violino ao vivo, chuva de pétalas de rosa, revoada de pombos, bufê, música ambiente, transmissão pela internet e efeitos especiais (em um auditório, parentes e amigos assistem ao caixão ser elevado por uma sistema mecânico até sumir por uma abertura no teto, como se chegasse ao céu). Como bem diz o proprietário de uma funerária ouvido pela Folha de S. Paulo, as empresas passaram a tratar a morte “como mais um evento social, nesse caso o último da pessoa e o mais importante”.

Crematórios não ficam atrás. As cinzas podem ser transformadas em pedras semelhantes a diamantes ou espalhadas pelo espaço sideral, graças à parceria de empresas brasileiras com funerárias americanas. Já uma artista plástica oferece também a possibilidade de pintar quadros usando as cinzas como uma de suas matérias-primas.

Mesmo as homenagens aos que se foram têm sido, digamos, repaginadas. Em alguns cemitérios de São Paulo, o Dia de Finados tem sido transformado em acontecimentos familiares nos quais psicólogos falam às crianças sobre o luto – não sem antes elas terem passado por pula-pulas e outros brinquedos típicos e ‘biscoitos da saudade’ terem sido oferecidos aos visitantes. Cemitérios paulistas, aliás, têm se esforçado para se parecerem mais com clubes, com imensas áreas verdes nas quais se tropeça, vez que outra, em um túmulo.

Há duas formas de enxergar esse novos serviços. A primeira, mais crítica, lamenta que até mesmo os rituais mais propensos ao recolhimento e à reflexão tenham sucumbido à espetacularização, sujeitando-se a perder sua significação mais profunda.

A outra, mais afeita aos profissionais do marketing, indica que não existe produto ou serviço que não possa ser repensado, seja a fim de reverter uma imagem negativa, seja no intuito de fugir da indiferenciação. 

Tudo na intenção de tornar o slogan de uma funerária de Porto Alegre algo cada vez mais verdadeiro: “nem parece funerária”.

Marcadores: , , , , , , , ,

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Etiqueta corporativa: cuide da sua imagem e da imagem da empresa

Karla Santana Mamona
Conhecer as regras de etiqueta vai muito além de ser reconhecido como uma pessoa bem educada. No ambiente de trabalho, elas são fundamentais para a imagem do profissional.

O professor de Planejamento e Gestão de Carreira e de Gestão em RH (Recursos Humanos) da Veris Faculdades, Nelson Fender, explica que as empresas estão atentas aos costumes e ao comportamento de seus funcionários.

“A imagem do profissional é o que mais conta. O profissional tem de lembrar que ele é julgado pelos outros”. Em algumas áreas, como comercial, conhecer as regras é fundamental, já que, além dos colegas, a pessoa tem contato direto com clientes.

Isso se aplica também aos profissionais que ocupam cargos de liderança. Além de serem o exemplo aos demais, eles representam a empresa em muitos momentos, como em eventos sociais, conferências, reuniões externas, entre outros. É o que explica a consultora de Imagem, Renata Mello. “Muito mais do que prejudicar a própria imagem, ele prejudica a imagem da empresa”.

Dicas

Para orientar o profissional, a especialista em etiqueta apontou algumas regrinhas que devem ser seguidas no almoço com cliente e dentro do escritório. Confira abaixo:

No restaurante: ao marcar um almoço com o cliente, o profissional deve ter em mente que o foco do encontro é para discutir assuntos profissionais. Isso não quer dizer que outros assuntos não possam ser abordados, mas tem de ter cuidado. Nada de comentar assuntos que possam virar debate ou causar constrangimento. Assuntos sobre tragédias e desastres naturais também devem ser esquecidos. “O almoço tem de ser agradável”.

Escolha do prato: a dica é escolher um prato simples, ou seja, que não dê muito trabalho para comer. Por exemplo, em vez de pedir espaguete, opte por outro tipo de massa, como penne ou rondelli, evitando que o molho respingue na roupa. Além disso, devem ser evitados pratos como caranguejo, ostras, peixes com espinhos, entre outros.

Matando a fome: o almoço não é para matar a fome, mas para negociar. Se estiver com muita fome, coma algo, de preferência leve, antes do encontro. Dessa maneira, você conseguirá se focar no cliente e não na comida.

Bebida alcóolica: o profissional até pode consumir bebidas com álcool, mas com muita cautela. Por isso, nada de abuso.

Mais caro: não é porque a empresa está pagando que o profissional deve abusar. É importante usar o bom senso. Lembre-se de que nem sempre o prato e o restaurante mais caros são os melhores e os que mais agradam.

Nunca faça isso: mastigar de boca aberta, colocar os cotovelos sobre a mesa e palitar os dentes são comportamentos extremamente inadequados. Tenha muito cuidado.

Celular na mesa: a mesa não é o local mais adequado para o aparelho. As mulheres devem deixá-lo na bolsa; já os homens podem colocá-los na própria cadeira ou utilizar uma cadeira vazia. Se estiver esperando uma ligação, avise seu convidado; caso contrário, ele deve ser desligado ou ficar sem som.

Escritório

Para o escritório, Renata orienta que o profissional não fale alto, tanto pessoalmente como ao telefone, e não ria alto, não chame os colegas pelo apelido, não coma na mesa de trabalho, não ande descalço nem use os objetos alheios.

A atenção também deve ser redobrada ao utilizar o banheiro. As mulheres devem ter muita atenção com os cabelos que caem na pia, assim como com o resto de pasta de dente que fica na cuba.

Em relação às vestimentas, o profissional deve utilizar roupas adequadas ao ambiente de trabalho, por isso, nada de decote, roupas justas e curtas e barriga de fora. A maquiagem também deve ser discreta, assim como o perfume. “Toda empresa deveria ter uma manual com dicas de aparência e postura. Assim, o profissional, no momento da contratação, conhece as regras da empresa”.

Marcadores: , , , , , , , , , ,