sábado, 22 de fevereiro de 2014

Pare de pedir desculpas

Gisele Meter
20 de fevereiro de 2014
Você provavelmente já deve ter presenciado a seguinte situação: A pessoa chega atrasada em um compromisso e começa a enumerar várias desculpas que possam justificar sua falha, certo?

Você também em algum momento, já deve ter usado qualquer desculpa, para se isentar de alguma situação. Independente se suas justificativas são cabíveis ou não, saiba que desculpar-se excessivamente, pode prejudicar expressivamente sua carreira.

Isto acontece porque quando apresentamos desculpas, estamos permitindo que outras pessoas façam julgamentos acerca de nosso comportamento.

Ao apresentar desculpas, além de você se colocar passível de avaliação, ainda promove um desvio do objetivo inicial, seja ele um projeto, uma reunião ou qualquer outra coisa a que você tenha responsabilidade.

Tendemos a acreditar que se desculpar demasiadamente promove segurança nas pessoas que saberão os motivos pela sua falta ou falha, no entanto é importante saber que em alguns casos, as pessoas não estão muito interessadas e retomar o foco no objetivo é o que interessa.

Não falo para deixar de se desculpar quando sentir necessidade, o importante é que quando faça isso, você saiba que estará abrindo margem ao julgamento alheio, então faça isso de forma consciente – avalie as consequências.

Podemos nos desculpar de forma objetiva, sem precisar dar detalhes de nossa vida pessoal, ou os motivos que impediram que algo não se concretizasse, afastando assim conclusões equivocadas a nosso respeito.

Vamos retomar o exemplo do inicio desta matéria: ao chegar atrasado para uma reunião, ao invés de justificar que o trânsito estava péssimo, que seu filho está doente, ou que seu cachorro comeu o controle do portão, aja de forma mais profissional possível, apenas se desculpe pelo atraso e diga que fará tudo para garantir que isto não ocorra novamente.

Percebe como ambos têm um impacto diferente? Isto porque agindo assertivamente não há margens para interpretações e você ainda reforça o quão compromissado pode estar com as pessoas que lhe aguardam.

Não é necessário colorir seu pedido de desculpas com detalhes de sua vida pessoal, afaste as ideias centradas no processo e foque no objetivo principal.

Quando apresentamos desculpas, estamos buscando aprovação para nossa atitude, perdendo assim o controle da situação. Saiba que isto, pode te deixar vulnerável, pois não temos como prever os impactos que esta atitude pode causar.

É preciso compreender que no contexto empresarial, quando se trata de desculpas, assim como em várias coisas da vida, menos é mais.


Disponível em http://www.administradores.com.br/artigos/carreira/pare-de-pedir-desculpas/75723/. Acesso em 20 fev 2014.

Marcadores: , , , , , , , ,

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Gianecchini: o rei das campanhas em 2013

Meio & Mensagem
16 de Dezembro de 2013
Ator da Globo protagonizou 7896 inserções para dez diferentes marcas no ano 
Desde que enfrentou e venceu um raro tipo de câncer linfático, descoberto em 2011, o ator Reynaldo Gianecchini passou a ter outro poderoso ingrediente além de talento e beleza para atrair os anunciantes. A superação da doença e a retomada da rotina de trabalho, associadas à figura simpática e amigável do ator, conseguiram colocá-lo no topo da lista das celebridades que mais apareceram em campanhas publicitárias em 2013.

Um levantamento feito pelo Controle da Concorrência avaliou as dez personalidades brasileiras que mais apareceram em campanhas televisivas entre 1.º de janeiro e 30 de novembro de 2013. Nesse período, Gianecchini foi ao ar 7.896 vezes, protagonizando campanhas e inserções de dez diferentes marcas.

Além de liderar a presença na TV em número de inserções, o galã também é o campeão em termos de quantidade de anunciantes para os quais emprestou sua imagem. Em 2013, Gianecchini apareceu na TV para falar do Banco do Brasil, Cielo, C&C, Catho, Centro de Eventos São Luís, Qualicorp, Rede Globo, Universidade Norte Paraná, Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia (Abrale) e Fundo Social de Solidariedade do Estado de São Paulo.

Se Gianecchini tem o apelo da superação, Neymar, o segundo colocado no ranking do Controle da Concorrência, continua mostrando o poder do futebol dentro do universo publicitário. O craque, que se transferiu para o Barcelona em junho, apareceu na TV em 6.045 inserções de nove diferentes anunciantes. Neymar protagonizou campanhas da Ambev, Baruel, Claro, Johnson Controls, Lupo, Panasonic, Rede Globo, Tencent e Unilever.

Os brasileiros também viram bastante o belo rosto de Gisele Bündchen na telinha em 2013. A übermodel é a garota-propaganda da linha Pantene, da Procter & Gamble, e da operadora Sky, aparecendo 5.508 vezes entre os meses de janeiro e novembro. Outra personalidade mundialmente conhecida, o ex-jogador Ronaldo Nazário continua sendo bastante lembrado pelos anunciantes. Mesmo na condição de empresário, ele foi garoto-propaganda de oito diferentes marcas, tendo acumulado um total de 4.984 inserções na televisão, segundo o Controle da Concorrência.

Com o mesmo número de contratos de Neymar, Rodrigo Faro conquista anunciantes com carisma e humor. Em 2013, o apresentador emprestou sua imagem para nove anunciantes, aparecendo 2.590 vezes na TV. Outras celebridades, como Patricia Abravanel, Regina Casé e Adriane Galisteu também figuram no estudo elaborado pelo Controle da Concorrência. Veja as dez celebridades campeãs em campanhas neste ano:

Somente Imagem 
Crédito: Controle da Concorrência


Disponível em http://www.meioemensagem.com.br/home/midia/noticias/2013/12/16/Gianecchini-o-rei-das-campanhas-em-2013.html?utm_source=newsletter&utm_medium=email&utm_campaign=mmbymail-geral&utm_content=Gianecchini:+o+rei+das+campanhas+em+2013. Acesso em 20 fev 2014.

Marcadores: , , , , , , , , ,

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Facebook tem acesso ao que você escreve mas desiste de postar

Olhar Digital
16/12/2013
 
O Facebook não está interessado apenas nas coisas que você posta; fotos, mensagens, comentários, vídeos, check-ins… tudo isso junto ainda não é o suficiente. A empresa quer saber também o que você não postou no site.

Um longo artigo escrito pela jornalista Jennifer Golbeck para a revista Slate analisa os motivos pelos quais o Facebook se importa com isso. Ela diz que a rede social fica sabendo sempre que alguém escreve algo mas desiste de publicar, e que isso é usado para entender melhor cada um dos usuários.

O Facebook consegue fazer isso graças ao navegador, que repassa as informações à rede. A atitude é bem semelhante à que o Google adotou com o Gmail, que salva os e-mails escritos mas não enviados - se seu navegador fechar inesperadamente, a mensagem estará salva.

O ato de escrever e não postar é chamado pela empresa de "auto-censura", assunto abordado recentemente em um estudo com 5 milhões de usuários e conduzido por dois funcionários do Facebook.

Eles explicam que por enquanto o site sempre sabe se alguém desistiu da postagem, mas não o que foi digitado. As políticas de privacidade do Facebook permitem esse tipo de coleta, pois um representante consultado pela Slate disse que mesmo o conteúdo não postado é visto como interação, mesmo que o internauta não tenha compartilhado com ninguém.

O Facebook justifica que é preciso entender por que houve desistência, afinal, o site vive de publicidade baseada no que as pessoas postam. A rede, dizem, "perde valor com a falta de geração de conteúdo".


Disponível em http://olhardigital.uol.com.br/noticia/facebook-tem-acesso-ao-que-voce-escreve-mas-desiste-de-postar/39440. Acesso em 19 fev 2014.

Marcadores: , , , , , , , , , ,

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Consultor mostra sete perfis de consumidor nas redes sociais

Afonso Ferreira
31/12/2013
Usar as redes sociais para expressar a alegria ou a frustração com um produto é uma atitude frequente entre os internautas, segundo especialistas. A reclamação de um cliente insatisfeito, por exemplo, pode ser rapidamente compartilhada e criar uma imagem negativa da empresa prestadora do serviço.

A repercussão do caso pode ser grande. No Brasil, as redes sociais têm 46 milhões de usuários, que acessam o Facebook, Twitter, YouTube ou outro canal de relacionamento, segundo a última pesquisa do Ibope, divulgada em março de 2013.

Dentro desse grupo de internautas, o presidente da ReachLocal na América Latina (empresa de marketing digital), José Geraldo Coscelli, identificou sete perfis de consumidores nas redes sociais, que vão do cliente modelo ao insatisfeito.

"É fundamental que as empresas monitorem o que os internautas falam sobre elas nas redes sociais e respondam com rapidez para minimizar possíveis danos à própria imagem", diz.

Abaixo, veja sete tipos de cliente nas redes sociais.

1. Modelo
Segundo Coscelli, esse consumidor tem identificação com a empresa e a recomenda para os amigos da internet, mas ele só continuará engajado se o relacionamento com a marca for próximo.

"É o tipo de cliente que deve fazer parte de programas de fidelidade, receber novidades periodicamente e até ser convidado para escrever um depoimento pessoal no site da empresa", afirma.

2. Entusiasta
Esse usuário, de acordo com Coscelli, usa as redes sociais para falar sobre tudo. Se ele tiver uma experiência negativa, é lá que ele vai manifestar sua indignação.

"O entusiasta é bastante ativo na internet. É preciso atendê-lo prontamente, dar-lhe todas as especificações do produto antes da compra para que ele não saia frustrado", declara.

3. Caçador de ofertas
Descontos e promoções são os alvos desse consumidor. Ele não é fiel e não busca estreitar relações com a empresa. Preço baixo é a palavra de ordem dele.

"Oferecer descontos com frequência é uma forma de atrair esse cliente, mas é preciso avaliar se a redução no preço não vai comprometer o lucro do negócio", diz o presidente da ReachLocal.

4. Silencioso
Esse é o tipo de usuário que curte a página da empresa, mas não compartilha o conteúdo nem recomenda os produtos. Nesse caso, Coscelli afirma que a empresa deve repensar suas publicações nas redes sociais.

"O conteúdo precisa ser mais atrativo para ele e ter fotos legais. As postagens também podem conter um pedido direto para ser compartilhada pelo usuário."

5. Casual
Para Coscelli, esse consumidor não tem identidade com a marca e curte ou compartilha conteúdo da empresa apenas ocasionalmente. No entanto, a relação pode mudar se ele for surpreendido de maneira positiva pelo empresário.

"Se o cliente faz uma compra e o produto chega antes do prazo ou se ele ganha desconto para uma próxima compra, a tendência é que ele se torne um consumidor mais regular", diz.

6. Reclamão
São comuns consumidores que vão direto a sites de reclamação ou a órgãos de defesa como o Procon (Fundação de Proteção e Defesa do Consumidor) e o Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) sem procurar a empresa prestadora do serviço para resolver um problema.

Por isso, segundo Coscelli, é preciso fazer uma ronda constante nas páginas de reclamação e de órgãos de defesa.

Caso encontre alguma reclamação, é importante contatar o cliente e se oferecer para resolver o problema.

Outra ação é destacar telefones e e-mails no site da empresa para que o consumidor possa entrar em contato, caso tenha algum problema com algum serviço ou dúvidas sobre um produto.

7. Insatisfeito
É o que exige mais atenção de todos. Muitas vezes o cliente se torna insatisfeito devido a um erro da empresa, como atraso na entrega, demora no atendimento e falta de informação.
Quando ele expressa essa indignação nas redes sociais, o empresário precisa ser rápido na resposta.

"A empresa tem de se manifestar o mais rápido possível, nem que seja para dizer que está avaliando a situação e depois buscar uma solução e dar uma resposta mais completa. O silêncio pode aumentar a insatisfação", diz.


Disponível em http://economia.uol.com.br/empreendedorismo/noticias/redacao/2013/12/31/consultor-mostra-os-7-tipos-de-perfil-de-consumidor-nas-redes-sociais.htm. Acesso em 09 fev 2014.

Marcadores: , , , , , , , , , , ,

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Cinco passos para ter uma comunicação não-verbal eficiente

PEGN
10/01/2014
  
Clareza e eficiência na comunicação são essenciais em discursos, reuniões de negócios ou até dentro de uma sala de aula. A transmissão verbal de informação é vital, mas é a forma como ela é apresentada que determina quanto o público se recordará da mensagem.

Dustin York, colaborador do site Entrepreneur, conduziu um experimento com quatro salas de aula universitárias, cada uma com 80 alunos, para verificar a eficiência da comunicação não-verbal. Cada turma recebeu um palestrante, dois deles utilizaram o recurso da comunicação não-verbal.

Os discursos eram idênticos, palavra por palavra, o que diferenciava cada um deles eram algumas táticas na hora da apresentação.

Cinco delas, em particular, foram destacadas por York:

1. Contato Visual. O palestrante que se aproveitou da comunicação não-verbal estabelecia contato visual com cada aluno, no lugar de focar seu olhar para o PowerPoint e para determinados estudantes.

2. Oscilações no tom de voz. A monotonia não é desejada, nesse caso. A variação da fala, mesmo do ritmo, prende melhor a atenção do público.

3. Circulação. Movimentar-se pelo espaço na frente da sala foi mais uma das técnicas usadas por dois dos palestrantes. Enquanto isso, os outros dois instrutores limitaram-se a permanecer por trás de uma mesa.

4. Expressões faciais. Assim como a variação do tom de voz é uma técnica da comunicação não-verbal, diferentes expressões faciais também aprimoram discursos.

5. Gestos com as mãos. A dica é deixar as palmas das mãos à mostra, e não guardá-las nos bolsos ou apoiá-las em alguma superfície.

Em seguida, as turmas fizeram uma prova relacionada ao conteúdo da apresentação. York teve a conclusão que esperava da pesquisa. As duas salas que receberam os palestrantes que utilizaram os recursos listados tiveram notas 30% superiores.


Disponível em http://revistapegn.globo.com/Noticias/noticia/2014/01/5-passos-para-ter-uma-comunicacao-nao-verbal-eficiente.html. Acesso em 09 fev 2014.

Marcadores: , , , , , , ,

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Geração Y não acredita em publicidade

Mauro Segura
29-AUG-2013
 
O estudo chamado "Millenials as Brand Advocates", da Social Chorus, publicado em julho de 2013, traz informações interessantes a respeito de como a geração Y lida com as marcas e com o marketing das empresas. A pesquisa, que alimentou o estudo, foi feita nos EUA, mas creio que a maioria das conclusões se aplica muito bem ao mercado brasileiro.

Geração Y são todos aqueles nascidos entre 1980 e 2000. Uma boa parte desse povo já compõe a população ativa economicamente, são consumidores e fazem parte da força de trabalho nas empresas. Nos EUA, são 79 milhões da geração Y versus 48 milhões da geração X (nascidos entre 1965 e 1980).

É evidente que a geração Y reina absoluta nas redes sociais. Se analisarmos o Twitter, 50% dos usuários são Ys. A conclusão mais impactante do estudo é que os Ys não acreditam em publicidade. Apenas 6% dos pesquisados disseram acreditar na publicidade on-line. Existe uma insatisfação com histórias patrocinadas postadas nas redes sociais. 67% disseram que nunca clicaram numa história patrocinada.

Ironicamente, um estudo recente da Edelman Berland, também realizado junto à Geração Y, apontou que somente 3% acham que a publicidade é chata. O mesmo estudo concluiu que 70% dos Ys se sentem responsáveis em publicar feedbacks a respeito de suas experiências com as empresas, sejam positivas ou negativas. Parece que existe um compromisso tácito entre eles de fazer isso.

Em contraponto ao descrédito com a publicidade, o estudo da Social Chorus diz que os Ys confiam no que seus amigos e comunidades falam. 91% dos Ys consideram comprar um produto recomendado por um amigo e 98% deles são mais propensos a se engajar num post de um amigo do que num post de uma marca.

Estamos diante de um novo desafio para o marketing das empresas: buscar métodos para incentivar os Ys a compartilhar suas ações nas redes sociais. Ou seja, falamos de uma espécie de co-marketing entre empresas e jovens. Em vez de marketing para eles, estamos falando de marketing com eles.

As empresas devem investir em plataformas para incentivar que os Ys contem suas experiências com as marcas para seus amigos e comunidades. Essa é uma relação que precisa ser construída de forma genuína, não o tradicional marketing forçado usado por muitas empresas.

Os Ys, de maneira geral, são mais propensos a fornecer suas informações pessoais e preferências do que outras gerações, as empresas devem se aproveitar dessa característica se associando a eles, criando um relacionamento mais aberto e aceitando bem os riscos inerentes a uma convivência mais espontânea e transparente.

A conclusão é que estamos diante de uma transformação profunda do marketing. As marcas já sabem disso, mas não existe uma clareza de como fazer. É evidente a corrida atual das empresas na adoção de uma estratégia diferenciada para lidar com a Geração Y. Quem está no poder são eles, não mais as organizações.


Disponível em http://www.meioemensagem.com.br/home/marketing/ponto_de_vista/2013/08/29/Geracao-Y-nao-acredita-em-publicidade.html?utm_campaign=ponto_de_vista_fb&utm_source=facebook&utm_medium=facebook. Acesso em 09 fev 2014.

Marcadores: , , , , , , , , , ,

domingo, 16 de fevereiro de 2014

A fuga da humanidade da miséria: entre ricos, a estagnação

Eduardo Pegurier
06/01/2014
Sem-teto nos Estados Unidos
Em 1944, em um campo alemão de prisioneiros de guerra, ocorreu uma fuga em massa de 76 soldados das forças aliadas, que conseguiram cavar um túnel para escapar. A busca pelos fugitivos levou semanas, mas quase todos, com exceção de três, foram recapturados, e 50 terminaram mortos em um fuzilamento sumário feito pela Gestapo.

A aventura virou livro e, na década de 60, um filme hollywoodiano de sucesso, com astros da época, como Steve McQueen. Ela também serviu de inspiração para o novo livro de Angus Deaton, professor de economia da Universidade de Princeton, nos Estados Unidos.

Famoso na academia, mas pouco conhecido do grande público, Deaton usou o filme como metáfora de outra história — a porta de saída da miséria, aberta desde a Revolução Industrial, permitiu que cerca de 80% da humanidade escapasse da pobreza absoluta.

No mesmo período de 200 anos, a população dos países ricos atingiu níveis de afluência impensáveis até para reis que viveram antes desse tempo. A expectativa de vida nessas nações dobrou, e a mortalidade infantil, que ceifava a vida de cerca de um terço das crianças, caiu para quase zero.

Tal trajetória aos poucos é imitada pelos países em desenvolvimento. Mas, como em toda boa trama, há nuances e riscos. Um bilhão de pessoas no mundo ainda são miseráveis e, nos Estados Unidos, país símbolo do sucesso econômico e da mobilidade social, o progresso das classes média e pobre estagnou, enquanto os ricos dispararam na concentração de renda.

O fenômeno não é exclusividade americana. Países como China e Índia, de rápida expansão nas últimas décadas, também se tornaram mais desiguais.

No livro The Great Escape: Health, Wealth, and the Origins of Inequality (algo como “A grande fuga: saúde, riqueza e as origens da desigualdade”), Deaton faz de maneira acessível ao grande público uma culta descrição do salto humano, impensável antes do século 19, em direção à prosperidade e à saúde. E reflete se a porta continua aberta para aqueles que ainda são pobres ou se a desigualdade está aumentando.

Há dois lados da desigualdade de renda, um bom e outro ruim, segundo o autor. A parte positiva é que, sem alguma desigualdade, não há progresso. O crescimento do padrão de vida está ligado a novas tecnologias, e elas não surgem de forma bem distribuída entre os países ou ao longo do tempo.

Costumam acontecer em uma área definida, como a indústria da Inglaterra no século 19 ou as startups do mundo digital do Vale do Silício no fim do século 20. A difusão de novas tecnologias demora, não só pela velocidade de compartilhamento das novas ideias mas também porque é preciso infraestrutura e capital humano para utilizá-las.

A teoria do germe, um dos exemplos do livro, surgiu no fim do século 19 e estabeleceu que microrganismos eram a causa das doenças infecciosas. Ela gerou uma revolução em saneamento nos países ricos e, em seguida, no mundo. Entretanto, essas melhorias ainda hoje não alcançam 30% da população mundial.

Mais lobistas

O lado ruim da desigualdade é concentrar o poder político com a renda, um fenômeno americano intensificado nos últimos 30 ou 40 anos. Entre os indícios, a fatia de trabalhadores do setor privado que era sindicalizada diminuiu de 24%, em 1973, para 6,6%, em 2012.

Na direção oposta, o número de lobistas de grandes empresas registrados na capital americana, Washington, cresceu de 175, em 1971, para 2 500, em 1982. Por fim, a renda dos 5% mais ricos, em 1966, era 11 vezes maior do que a dos 20% mais pobres. Em 2010, essa proporção havia subido 21 vezes.

Deaton afirma que o fenômeno tem um lado interessante. Há 100 anos, 90% da renda dos americanos mais ricos derivava de dividendos. Hoje, 75% dela vem de salários. Os ricos contemporâneos trabalham e chegaram lá porque têm mais educação. “Se o sistema educacional se tornar flexível o suficiente para produzir novas habilidades tão rapidamente quanto elas se tornam necessárias, o aumento da desigualdade deverá chegar ao fim”, diz Deaton.

No contexto brasileiro, sua análise dá calafrios, porque implica que temos um longo caminho na contramão de uma tendência que parece mundial. A despeito da melhoria recente na distribuição de renda, o Brasil conserva os mesmos vícios de origem: renda desigual ao extremo, Justiça cara e educação pública de baixa qualidade. Nossa fuga, na melhor das hipóteses, ainda levará tempo.


Disponível em http://exame.abril.com.br/revista-exame/edicoes/1055/noticias/a-longa-fuga-da-miseria?page=1&utm_campaign=news-diaria.html&utm_medium=e-mail&utm_source=newsletter. Acesso em 09 fev 2014.

Marcadores: , , , , , , , , , ,