sábado, 15 de fevereiro de 2014

São Paulo aprova publicidade nos pontos

Barbara Sacchitiello
16 de Dezembro de 2013
Campanha da empresa usava uma suposta declaração de amor para provar o potencial do meio 
O primeiro ano de retorno do mobiliário urbano à cidade de São Paulo teve uma repercussão positiva, de acordo com avaliação da Ótima, empresa responsável pela instalação e administração dos novos abrigos de ônibus da cidade.

Uma pesquisa encomendada pela empresa ao Instituto Datafolha aponta que 89% das pessoas admitem que a propaganda exposta nos pontos e ônibus chama a atenção e que 85% dos entrevistados aprovam que tais espaços urbanos exibam publicidade. Ainda de acordo com a pesquisa, 30% das pessoas declarou lembrar-se de pelo menos alguma das campanhas exibidas nos abrigos durante este ano. O Datafolha ouviu 540 pessoas na cidade de São Paulo, entre os dias 8 e 10 de novembro de 2013.

Para fortalecer a imagem do mobiliário como mídia, a ótima fez uma campanha misteriosa, espalhando cartazes com uma suposta declaração de amor assinados com o apelido de “Môzi”. A ideia da campanha era justamente provar o quão forte o mobiliário urbano é para a difusão de mensagens. “A pesquisa mostra que a campanha “Volta Mari” obteve 8% de lembrança espontânea das pessoas que conhecem os abrigos, valor maior que a média de recall das top 10 campanhas de TV , segundo parâmetros Datafolha. Esse resultado é muito expressivo em apenas uma semana de exposição”, comenta Alessandra Caramico, diretora de Marketing da Otima. 



Disponível em http://www.meioemensagem.com.br/home/midia/noticias/2013/12/16/Sao-Paulo-aprova-publicidade-nos-pontos.html?utm_source=newsletter&utm_medium=email&utm_campaign=mmbymail-geral&utm_content=S%E3o+Paulo+aprova+publicidade+nos+pontos. Acesso em 09 fev 2014.

Marcadores: , , , , , , , ,

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Como lidar com os oito principais tipos de clientes

Newtrade
14-01-2014
Um estudo realizado pela e.life identificou o perfil dos consumidores que mais falam com as marcas nas redes sociais. Do amante ao pidão, o estudo mapeou 7 mil posts para identificar estes oito perfis. Entender quem é o consumidor do outro lado, seja nas redes ou no atendimento pessoal, ajuda a tomar decisões de como as pequenas empresas devem reagir.

Segundo Ingrid Mantovani, coordenadora de Social CRM da empresa, ter uma resposta padrão e generalista para todo tipo de contato é um erro comum. No perfil especialista, por exemplo, este tipo de resposta pode demonstrar falta de preparo. “Se for genérico, vai dar a impressão de que a empresa sabe menos que ele”, indica. Veja a seguir os principais perfis e como lidar com cada um deles.

1. O agitador
Este cliente costuma organizar as pessoas em prol de suas causas, podem ser ativistas, piadistas ou apenas provocadores. Eles criam páginas contra a empresa e interagem com outros falando mal do negócio nas redes. “Tem a característica de chamar os outros para participar da ação ou reclamação dele. A empresa precisa de uma resposta assertiva e detalhista”, diz. A agilidade na resposta é essencial, para evitar que ele chame outros para participarem da reclamação.

2. O amante da marca
Eles defendem a marca e fazem declarações públicas de admiração. Os amantes costumam usar linguagem simples e podem ser um canal de divulgação. “A empresa pode mapear estes clientes para fazer ações especificas. Chamar para conhecer e enviar um brinde, por exemplo”, indica Ingrid.

3. O colaborador
O colaborador é o tipo que poderia ser funcionário da empresa. Geralmente, são identificados por deixarem várias sugestões de novos produtos, melhorias e ideias. Neste caso, o melhor é agradecer e avaliar se a sugestão pode mesmo ser desenvolvida. “O discurso é como se tivesse em uma reunião da empresa, já que ele dá dicas. A gente recomenda que ouça a sugestão, agradeça, dê uma resposta e veja se é possível”, diz.

4. O decepcionado-traído
Este cliente era amante da marca e por algum problema passou a se sentir traído. Geralmente, eles não querem alarde, mas compartilhar seus problemas com a marca. Costumam falar do valor que a marca tinha em suas vidas e deixou de ter depois do problema. “A empresa deve resolver o problema, mas geralmente ele não volta a ser consumidor”, afirma.

5. O especialista
O cliente especialista conhece todos os detalhes de um produto, decora números e referências antes de entrar em contato. “A nossa recomendação é que seja um pouco mais técnico com essa pessoa para tentar convencê-la da sua resposta. Se for genérico, vai dar a impressão de que a empresa sabe menos que ele”, explica. Use termos técnicos e procure a resposta com especialistas da área abordada se não souber como responder.

6. O pidão
Este tipo de consumidor é o que vive perguntando se a empresa tem amostras grátis. Ele quer, de alguma forma, tirar vantagem por ser um cliente antigo ou por ocupar um cargo importante. Nestes casos, cuidado para não desmerecer o cliente. “É aquele que chega e quer alguma coisa da empresa. Tem que ser muito amável, mas não dê o produto nem gere uma expectativa. Se der, muita gente vai pedir”, diz Ingrid. Uma boa saída é indicar ao cliente que acompanhe as promoções e novidades da marca.

7. O reclamão
O cliente reclamão costuma ser dramático e fala muito. Mesmo com problemas resolvidos, ele pode continuar expressando insatisfação com o negócio. “A priori, ele quer ter seu problema resolvido”, diz. Se ele insistir muito, é aconselhável levar a discussão para o privado. Diferente do agitador, este perfil só quer resolver o problema e não atrair atenção de outras pessoas.

8. O tira-dúvidas
Os clientes com este perfil costumam ser educados e objetivos. Eles querem tirar uma dúvida pontual sobre o produto ou a empresa. “Este é o mais simples. A dica é esclarecer com detalhes a dúvida, que pode ser de outros também”, indica.


Disponível em http://www.newtrade.com.br/noticia/como-lidar-com-os-8-principais-tipos-de-clientes. Acesso em 09 fev 2014.

Marcadores: , , , , , , , , ,

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

#CeiadaArvore engorda Natal da Sadia

Raissa Coppola
09 de Dezembro de 2013
#CeiadaArvore no Instagram: mais de 600 fotos postadas 
O Natal, historicamente uma das datas mais rentáveis para a Sadia, começou mais cedo em 2013. No final de novembro, a marca deu início à campanha #ceiadaarvore, que propôs que as pessoas reservassem o primeiro domingo de dezembro, quarto domingo antes do Natal e início do período cristão do Advento, para a montagem da árvore de Natal em família. Popularizada pela marca, a data caiu no gosto dos consumidores.

A hashtag #ceiadaarvore rendeu 609 fotos no Instagram. Segundo dados da Sadia, a campanha gerou 80% de buzz positivos e neutros no Facebook e 98% no Twitter. Mais de 30 milhões de perfis no microblog foram impactados pela campanha. Cerca de 27 mil pessoas confirmaram presença no evento criado pela marca no Facebook para a montagem da árvore. A Sadia também contabilizou a chegada de 70 mil novos fãs à sua fanpage na rede social desde o início da campanha.

O retorno nas vendas também foi sentido. A companhia registrou um aumento nas vendas superior a 120% em relação ao mesmo período no ano passado. “Notamos que o Natal ficava cada vez mais apertado, espremido entre a ceia dos dias 24 e 25. Com a campanha, queríamos resgatar a magia e possibilitar a reunião das famílias em uma comemoração que já existia, mas não era muito conhecida pelo público em geral. Deu certo”, explica Patricia Cattaruzzi, gerente executiva de marketing da BRF.

Surpreendida pela adesão ao projeto, a marca deu início à segunda fase da campanha, que deixa chesters e perus de lado para focar em outros produtos do portfólio. Nessa etapa, a Sadia propõe a realização de diversos “Natais”, pequenas reuniões com pessoas queridas que não poderão estar juntas na celebração oficial. “O brasileiro é muito ligado em reuniões e nossa intenção é lembrar que é possível fazer pequenas confraternizações com pessoas queridas até o Natal”. O filme e as ações digitais ficam novamente por conta de F/Nazca e AgênciaClick.

Disponível em http://www.meioemensagem.com.br/home/comunicacao/noticias/2013/12/09/-CeiadaArvore-engorda-Natal-da-Sadia.html. Acesso em 09 fev 2014.

Marcadores: , , , , , , , , , , , ,

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Nove dicas para usar melhor o LinkedIn

Mayra Fragiacomo
07/02/2014 às 17h05
 
A maioria dos profissionais sabe que o Linkedin é a rede social profissional mais popular dos últimos tempos. Mesmo quem não está na rede, sabe que ela existe. Há quem diga que recebe vários contatos de headhunters e empresas por semana sem fazer o mínimo esforço, enquanto há muitos que dizem fazer diversas conexões e aplicações para vagas sem nenhum efeito.

Tudo depende do perfil do profissional e da disponibilidade das vagas, segundo as empresas, que cada vez mais utilizam a plataforma para divulgação de oportunidades e buscas de candidatos de TI nos eficientes mecanismos de hunting comercializados pelo Linkedin.

Mas a maior verdade dessa e de qualquer outra plataforma profissional é que quanto melhor estiver cadastrado o perfil, melhores serão os resultados. E quando falamos em Linkedin, um outro fator se mostra cada dia mais relevante: a etiqueta virtual associada ao velho bom senso.

Pensando nessa máxima, aí vão algumas dicas para a melhor utilização dessa rede social profissional. Boa sorte!

1) Foto do perfil: utilize fotos próprias e que dialoguem com o tema dos negócios. Com isso, saem fotos de família, personagens ou paisagens.

2) Perfil: cadastre seu perfil como se tivesse preenchendo o currículo, mesmo que não esteja buscando uma nova colocação. É importante para que conheçam o seu perfil profissional na totalidade (até mesmo os possíveis parceiros de negócios). Tome cuidado com erros de português.

3) Idioma:  mesmo que você fale inglês, espanhol ou qualquer outro idioma, tenha sempre um perfil cadastrado em português (língua nativa). O programa dá opções de várias línguas e todas podem ser cadastradas, mas só cadastre se realmente tiver conhecimento do idioma.

4) Pedidos de conexão: adicione pessoas conhecidas ou com quem você tenha pelo menos uma conexão. Se for adicionar pessoas desconhecidas, encontre motivos de aproximação (um headhunter potencial, um executivo que te entrevistou ou um profissional interessante que atue no seu segmento) e deixe exposto o motivo do convite.

5) Postagens: ao postar mensagens e opiniões, atenha-se à esfera profissional. Cuidado com temas polêmicos (política, futebol e religião) e de cunho pessoal, fotos e frases de efeito. O mesmo vale para debates nos grupos: cuidado com agressões e exposição autoritária de opiniões.

6) Interesses: os grupos são ótimos ambientes para networking e contato com potenciais contratantes. Existe uma vasta opção de temas técnicos e também para postagem de vagas específicas. Esteja sempre atento às regras de cada grupo e as respeite.

7) Empregos: só aplique para vagas (opção Empregos) que realmente estejam dentro do seu perfil. Evite ficar queimado como profissional sem foco, que se candidata a toda e qualquer opção, mesmo não sendo compatível com ela.

8) Recomendações: só peça recomendações para pessoas que já trabalharam com você ou que são parceiros de negócios, desde que possam falar de forma relevante do seu trabalho. Jamais peça recomendações para pessoas que não te conhecem. E seja solidário, retribuindo tais recomendações ou as fazendo de forma aleatória e verdadeira.

9) Atualizações: mantenha seu perfil sempre atualizado. Não adianta estar somente cadastrado, sem informações ou com dados desatualizados. Deixe seu e-mail pessoal e telefones de contato, assim poderá ser encontrado com muito mais facilidade (esse é um dos propósitos!).


Disponível em http://olhardigital.uol.com.br/pro/colunistas/mayra_fragiacomo/0/9. Acesso em 09 fev 2014.

Marcadores: , , , , , , , ,

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Cinco coisas que os comerciantes nunca lhe dirão

Ana Torres Pereira
27 Novembro 2013
 
Aumentar o ar condicionado, colocar uma música agradável ou ter uma loja perfumada são apenas algumas das técnicas utilizadas pelas marcas para convencer os consumidores a comprarem mais. O neuromarketing ou o marketing sensorial são duas ferramentas que já fazem parte de qualquer manual de gestão de consumo.

"A Neurociência do Consumidor veio trazer novas possibilidades às marcas, por via do seu contributo na produção de dados que permitam complementar ou aprofundar os processos de investigação relacionados com inovação e desenvolvimento de novos conceitos, subjacentes à criação de novos produtos", como refere André Zeferino, numa análise publicada na Netsonda. O marketing sensorial, como o próprio nome indica, quer estimular os vários sentidos. Esta estratégia que arrancou no Reino Unido já começa a ter alguma penetração nalguns mercados. Contudo ele não se aplica a todo o tipo de lojas ou de produtos.

De todas as técnicas, a focada na promoção e no desconto ainda é a rainha. Compre um e leve dois, receba desconto de 25% a 50% na compra do segundo artigo, acumule 50% do preço em cartão e volte cá para comprar de novo. E mais recentemente a aquisição de "vouchers" nos mais diferentes sites de descontos que "oferecem" não só produtos a preços mais baratos, como valores de dois ou mais serviços por metade do preço.

Para ser um consumidor consciente e só comprar o que precisa, é preciso ter os sentidos muito mais apurados, porque todos o vão querer convencer a comprar mais.

Preços: a tática do 99 dá ilusão de barato

As técnicas aplicadas ao preço podem dar a ilusão de que os artigos são mais baratos do que efetivamente são. A mais utilizada é a de não arredondar o valor, ou seja, um artigo que custa 9,99 euros dá a ilusão que é muito mais barato do que um que custe 10 euros e, no fundo, o que os separa é apenas um cêntimo.

Outra das tácticas utilizadas é não colocar a moeda, esta pouco utilizada em Portugal. No entanto, um produto que custa 30 é percepcionado de forma diferente se for colocado o preço de 30 euros. Ainda neste campo, colocar as letras mais pequenas na etiqueta ou no placar onde está fixado também poderá causar ilusão ao consumidor.

Olfato: uma loja perfumada

O uso de fragrâncias é bastante utilizado por marcas de automóveis e roupas, porém, um crescente número de empresas de diversos ramos já tem utilizado esse recurso do "branding" sensorial. De acordo com algumas análises de neuromarketing, um perfume traz lembranças e deixa o consumidor mais emotivo.

Segundo uma pesquisa alemã, perfumar o ambiente aumenta em até 15% a probabilidade de uma venda. Segundo a directora da empresa especializada em marketing olfactivo, Soluquim, Fernanda Menghatho, a estratégia tem a finalidade de sugestionar o consumidor pelas sensações que os aromas proporcionam. "A memória olfactiva é muito maior do que a memória visual", diz.

Restaurantes: as crianças é que mandam

Oferecer brindes ou colocar os chocolates e rebuçados perto da caixa de pagamento são algumas das técnicas utilizadas, principalmente em supermercados. Nos restaurantes de "fastfood", uma das técnicas mais utilizadas é oferecer brinquedos num dos menus infantis. Mas, mesmo noutro tipo de restaurantes o menu infantil poderá incluir, por exemplo, uma caderneta ou um livro para pintar.

Ainda na parte da restauração, algumas das técnicas passam por utilizar cores: por exemplo, o vermelho estimula o apetite. O consumidor fica com mais fome e come mais rápido, abrindo espaço para outros clientes poderem consumir.

Provadores: dar mais espaço e espelhos maiores

Numa loja de pronto-a-vestir quanto maior for o provador da roupa, mais à vontade o consumidor vai ficar. Isso poderá fazer com que ele passe mais tempo a experimentar vários modelos, aumentando assim a possibilidade de compra. Ainda dentro do provador, ter um espelho maior também poderá melhorar a experiência. No interior da loja, o pé direito e a amplitude do espaço poder-se-á tornar mais confortável para uma decisão de compra.

Alguns espaços também utilizam a técnica de aumentar a temperatura do ar condicionado, para apelar à compra. No caso de haver escadas rolantes, estas estão posicionadas de forma que tenha de percorrer vários sectores da loja.

Espaço: sentido inverso aos ponteiros do relógio

De uma forma espontânea quando entra num espaço comercial o mais habitual é seguir uma orientação no sentido dos ponteiros do relógio. Várias análises indicam que os clientes gastam 7% mais quando andam no sentido inverso, apesar de isso também causar desconforto e poder afastá-los das lojas. Desta forma, há locais dedicados ao consumo que procuram organizar--se para distribuir os produtos de forma a estimular o caminho natural e a prolongar a estada.

Quanto à música, um estudo no Reino Unido revelou que uma música agradável faz com que o consumidor possa ficar mais tempo na loja e ter vontade de voltar ou recomendar a outros.


Disponível em http://www.jornaldenegocios.pt/empresas/detalhe/coisas_que_os_comerciantes_nunca_lhe_dirao.html. Acesso em 09 fev 2014.

Marcadores: , , , , , , , ,

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Cinco formas de conseguir dinheiro para começar um negócio

Priscila Zuini
07/02/2014
Dinheiro: homem segura notas de real
Dinheiro é essencial para começar um negócio. Não adianta ter uma ótima ideia sem disponibilidade de capital mínimo para começar a operar. “Dinheiro é fundamental para a criação de um novo negócio. É oxigênio na criação e manutenção de uma empresa”, defende Edison Kalaf, professor da Business School São Paulo (BSP).

É comum que os empreendedores não tenham todo o dinheiro que precisam para tirar uma ideia do papel. Por isso, o primeiro passo é fazer um planejamento básico, para saber o que o negócio vai demandar. “O capital próprio é a fonte de recurso mais utilizada, mas nem sempre o empresário usa uma fonte só”, diz Marcelo Nakagawa, professor do Insper. Veja a seguir onde conseguir dinheiro para começar seu negócio.

1. Capital próprio
Para Nakagawa, essa é a melhor forma de investir em uma pequena empresa. Com capital próprio, o empreendedor não contrai dívidas em bancos e tem mais noção de quanto pode gastar. “Às vezes, implica a venda de algum ativo da pessoa ou algum tipo de acordo que faz com o cliente pague antes de receber. Nos Estados Unidos, o termo é bootstrapping, pega dinheiro do cliente e entrega depois o produto”, indica.

O porém desta fonte é que o empreendedor precisa ter acumulado dinheiro ao longo do tempo. Por isso, é mais comum que pessoas mais experientes tenham essa reserva. “Esse é outro tipo de empreendedor, mais velho, e não uma startup”, diz Kalaf.

2. Incubadoras
Para startups, é muito comum que elas comecem a se desenvolver dentro de incubadoras, que são instituições ligadas, geralmente, a universidades que apoiam empreendedores iniciantes. “É uma organização que estimula a criação e o desenvolvimento de pequenas empresas. Dão espaço físico, algum infraestrutura, acesso a internet e assessoria jurídica, por exemplo”, diz Kalaf.

3. Agências de fomento
Outra opção de fonte de capital são as agências de fomento. “Esses recursos são chamados de não-reembolsáveis ou de fundo perdido”, explica Nakagawa. São organizações que trabalham com editais ou chamadas e oferecem linhas de crédito a juros baixíssimos ou nulos. “Os empreendedores tem que conhecer Fapesp, Finep, CNPQ, Senai e agências de amparo à pesquisa”, indica.

4. Empréstimo bancário
O empréstimo bancário é mais indicado para quem pensa em abrir uma franquia. “É comum bancos terem linhas de crédito espetaculares para abrir uma franquia”, indica Kalaf. “É muito difícil para quem está começando do zero, mas o empreendedor tem que prestar atenção em alguns bancos que tem financiamento para franquias”, reforça Nakagawa.

Neste tipo de crédito, é preciso ter cuidado com as taxas de juros. “No Brasil, as taxas são muito altas e é comum exigir, por exemplo, uma garantia real”, afirma Kalaf.

5. Investidores externos
Mais comum também no mercado de startups, o investimento de anjos e fundos de capital semente pode ser conseguido quando o negócio já está mais maduro. “O tipo de empresa que pega esse dinheiro é um número pequeno, são empresas de altíssimo potencial de crescimento”, diz Nakagawa. Nestes casos, o investidor quer ver o negócio concreto. No caso de anjos, investem em média de 80 mil a 100 mil reais.


Disponível em http://exame.abril.com.br/pme/noticias/5-formas-de-conseguir-dinheiro-para-comecar-um-negocio?page=1&utm_campaign=news-diaria.html&utm_medium=e-mail&utm_source=newsletter. Acesso em 09 fev 2014.

Marcadores: , , , , , , , , ,

domingo, 9 de fevereiro de 2014

Final de Amor à Vida mobiliza web

Mirella Portiolli
04 de Fevereiro de 2014
Reconciliação entre os personagens Felix e César foi um dos momentos mais marcantes do desfecho da novela
Assistir ao desenrolar das tramas de Amor à Vida utilizando uma segunda tela foi um hábito de milhões de telespectadores.

Os usuários do Twitter e Facebook aguardaram a reconciliação de Félix (Mateus Solano) e de seu pai César (Antonio Fagundes), o final trágico da vilã Aline (Vanessa Giacomo), e, principalmente, o primeiro beijo gay, entre homens, na televisão brasileira.

O autor Walcyr Carrasco parece ter atendido aos desejos dos noveleiros. No capítulo final, 89% dos comentários feitos nas mídias sociais, na faixa de horário das 22h às 23h, foram sobre a trama da Rede Globo e seus personagens. A novela conquistou o primeiro lugar entre os assuntos mais comentados da TV aberta nas redes sociais, de acordo com o ranking TTV.

Na segunda colocação aparece o Big Brother Brasil. Outra atração da casa, o filme Never Say Never, de Justin Bieber, exibido no sábado à tarde, também conquistou a atenção dos fãs e ficou com a terceira posição.

Record está na lista com Breaking Bad e SBT foi citado por Rebeldes e Chiquititas. A lista elaborada pela Tuilux para o Meio & Mensagem abrange os dias 27 de janeiro e 2 de fevereiro. Confira o ranking completo:

1 - Amor à Vida (Globo)
2 - Big Brother Brasil (Globo)
3 - Justin Bieber: Never Say Never (Globo)
4 - Breaking Bad (Record)
5 – Rebelde (SBT)
6 - A Saga Crepúsculo: Lua Nova (Globo)
7 - Encontro Com Fátima Bernardes (Globo)
8 - Além do Horizonte (Globo)
9 - A Teia (Globo)
10 – Chiquititas (SBT)

TV Paga

Em relação à TV paga, a transmissão do Grammy, pelo TNT, rendeu muitos comentários nas redes sociais. O evento, que ficou em primeiro lugar na semana passada, também conquistou a liderança nesta última análise.

O Festival de Verão de Salvador também surge como destaque entre os usuários de Twitter e Facebook. A final do Superbowl foi bastante mencionada, mas como os dados para o ranking são coletados até a meia-noite de domingo, muitos comentários serão considerados também na próxima semana, semelhante à repercussão do Grammy. Veja os dez mais mencionados abaixo:

1 - 56ª Cerimônia de Entrega do Grammy (TNT)
2 - Festival De Verão De Salvador - Ao Vivo (Multishow)
3 - The Vampire Diaries (MTV)
4 - TVZ (Multishow)
5 - Coletivation (MTV)
6 - NFL Superbowl XLVIII: Seattle Seahawks x Denver Broncos – Vivo (ESPN)
7 - Estúdio I (Globo News)
8 - South Park (MTV)
9 - Os Simpsons (Fox)
10 - Big Brother Brasil 14 - Vivo (Multishow)


Disponível em http://www.meioemensagem.com.br/home/midia/noticias/2014/02/04/Final-de-Amor-A-Vida-mobiliza-web.html?utm_source=Facebook&utm_medium=Social&utm_content=&utm_campaign=links. Acesso em 04 fev 2014.

Marcadores: , , , , , , , , , ,